Tabelionato, Registro Civil e Especiais de Rolante

Eduardo Kindel - Tabelião e Registrador

(51) 3547-1449
(51) 3547-1540
(51) 98410-1540

Plantão de óbitos do Registro Civil (Whatsapp):

(51) 98410-1540

NOTÍCIAS

22 DE ABRIL DE 2021
G1RS – Mortes por Covid caem entre idosos e aumentam entre jovens, aponta levantamento dos cartórios do RS

Um levantamento dos cartórios de Registro Civil do Rio Grande do Sul mostra uma mudança no perfil das vítimas da Covid-19. De fevereiro para março, o percentual de mortes de idosos com mais de 60 anos caiu de 78% para 71%. Já entre pessoas com 59 anos ou menos subiu de 22% para 29%.

A tendência persiste em abril. Até esta quarta-feira (21), conforme o Portal da Transparência, 64% dos óbitos são de pessoas com mais de 60 anos e 36% de pessoas com idade inferior, o que indica que, cada vez mais, pessoas mais jovens morrem da doença, enquanto que as faixas etárias mais elevadas são mais preservadas.

Idosos

A mudança é ainda mais perceptível se considerado o percentual de mortes proporcional de cada faixa etária. Os idosos entre 90 e 99 anos representavam, em média, 6,6% do total de mortos pela Covid-19 desde o início da pandemia. Em março, passaram a representar 3,5% dos óbitos e, nos primeiros dias de abril, 2,5% dos falecimentos.

A faixa entre 80 e 89 anos, passou de uma média de 24,7% do total de mortos para 15,2% em março e 9,1% em abril.

Já os óbitos entre a população de 70 a 79 anos passou de uma média de 25,4% do total de óbitos para 24,6% em abril.

Para o presidente da Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Rio Grande do Sul (Arpen-RS), Sidnei Hofer Birmann, esta tendência sugere os primeiros efeitos da vacina nos grupos dessas faixas etárias.

“Com a vacinação, há essa redução nos óbitos de idosos, e o crescimento nas mortes da população mais jovem”, aponta.

Jovens

É claro que a faixa etária de pessoas com idades entre 60 e 89 anos são aquelas mais vulneráveis, proporcionalmente, pelo coronavírus no Rio Grande do Sul. Mas, se no começo da pandemia, elas concentravam a maioria dos óbitos, este cenário começa a se alterar, com o aumento proporcional de mortes entre pessoas de faixa etária de 20 a 59 anos.

Os óbitos de pessoas com idades entre 20 e 29 anos, que até o mês de março representavam, em média, 1% dos falecimentos, passaram a ser quase 1,2% em abril, o que representa um crescimento de 77% no número de mortes nesta faixa etária em relação à média do período.

Já a quantidade de óbitos de pessoas entre 30 e 39 anos, que representavam, em média, 3% das mortes, subiram em abril para 4,2%, crescimento de 38% no número de mortes por Covid-19.

A faixa de pessoas entre 40 e 49 anos foi ainda mais afetada. Até janeiro de 2021, representavam 4,9% dos óbitos causados pela doença. Em fevereiro, passaram a representar 7,2%, em março, 8,6%, e, nos primeiros dias de abril, já representam 10,5% do total de mortos pela doença no RS.

E entre a população com idade de 50 a 59 anos, que representava, em média, 10% do total de mortes pelo coronavírus no primeiro ano da pandemia, em fevereiro passou a representar 10,8%, em março saltou para 15,3% e, nos primeiros dias de abril, representa 18,3% do total de mortos por Covid-19.

A infectologista da Sociedade Riograndense de Infectologia, Andréa Dal´Bó, acrescenta outra razão além da vacinação: os cuidados e o isolamento que pessoas mais velhas assimilam com mais facilidade.

“As medidas de distanciamento social, que muitos idosos realmente têm seguido e têm levado a uma redução do impacto na mortalidade”, afirma.

Vacinação e exposição

O chefe do Serviço de Infectologia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA), Eduardo Sprinz, acredita que, como a vacinação depende de pelo menos um mês para a aplicação das duas doses e mais um período para o desenvolvimento da imunidade, ainda é cedo para determinar que ela é a grande responsável pela diminuição de casos graves entre idosos. Ele aponta outros dois fatores a serem considerados.

“Mais gente jovem ficou doente. É claro que são menos vulneráveis, mas a quantidade foi tão grande que certamente alguns adoeceram de forma mais grave. E outro aspecto é que, quando esgotam os suscetíveis, aqueles idosos que menos conseguiram se proteger e já foram atingidos pela Covid, aqueles que persistem ou permaneceram são de alguma forma mais resistentes ou menos expostos”, afirma.

O educador físico Eduardo Abreu conheceu o que a doença causa independentemente da idade. Ele perdeu, no começo deste ano, a avó, a mãe e o irmão, com idades entre 26 e 88 anos. Restou em casa apenas o pai, que teve sintomas leves.

“A nossa casa é muito grande. Ela era pequena para nós cinco. Agora só eu e meu pai, é enorme. Parece uma cidade, e muito vazia. Tu tá jantando com a tua família, um mês depois, não tem mais família. É bem triste”, lamenta.

Ainda com a dor das perdas latente, ele alerta aos jovens como ele de que um pequeno descuido em cuidados simples pode ter uma consequência irreversível.

“Acontece uma vez só, não volta mais. A gente perde uma mãe, perde um irmão, perde uma avó, a família fica destruída por uma coisa que é simples. Cara, se tu aguentou um ano, tu aguenta dois anos. Depois tu volta a sair, não precisa ir agora, sabe? O mundo não vai acabar agora. Vai acabar se tu fizer errado”, afirma.

Fonte: G1RS

Outras Notícias

Anoreg RS

07 DE MAIO DE 2021
TJ/AC – Primeira Câmara Cível mantém obrigação de pai para pagar pensão alimentícia do filho

Apesar de divergirem quanto à contribuição de cada um no sustento do filho, a pacificação social está...


Anoreg RS

07 DE MAIO DE 2021
CNJ – Seis boas práticas de Governança de TI vão integrar Portal

O anúncio foi feito durante a 330ª Sessão Ordinária, nesta terça-feira (4/5).


Anoreg RS

07 DE MAIO DE 2021
Conjur – Mulher tem direito a partilha de casa em terreno do pai do ex-companheiro

Havendo evidências suficientes de que o imóvel foi construído pelo casal, ele deve ser integrado na partilha...


Anoreg RS

07 DE MAIO DE 2021
Diário Oficial da União – INSS publica a Instrução Normativa nº 116 que disciplina o fornecimento de informações por parte dos Cartórios de Registro Civil

Clique aqui e leia na íntegra.


Anoreg RS

06 DE MAIO DE 2021
ANPD publica nomeação oficial de composição do Conselho Nacional de Proteção de Dados e da Privacidade (CNPD)

Clique aqui e confira a normativa na íntegra.


Anoreg RS

06 DE MAIO DE 2021
Notícias Agrícolas – Projeto do Executivo substitui fiscalização agropecuária por programas de autocontrole

Os produtores e a indústria deverão implantar programas de autocontrole com o objetivo de garantir a segurança...


Anoreg RS

06 DE MAIO DE 2021
Diário Oficial da União – Vetado projeto que prorroga prazo para entrega da declaração do IRPF

Clique aqui e leia na íntegra.


Anoreg RS

06 DE MAIO DE 2021
O Sul – Pela segunda vez na história, Rio Grande do Sul registra mais mortes do que nascimentos

Em abril, Porto Alegre teve o décimo mês com decréscimo populacional da sua história.


Anoreg RS

06 DE MAIO DE 2021
G1RS – União estável homoafetiva completa 10 anos no Brasil; Porto Alegre tem quase 100 registros por ano

Possibilidade de emissão das certidões online é considerado facilitador. Casais comemoram a conquista do direito:...


Anoreg RS

06 DE MAIO DE 2021
RBS TV – Tabeliã Rita Bervig concede entrevista ao Programa Jornal do Almoço

Em entrevista ao Jornal do Almoço, a tabeliã do 7º Tabelionato de Notas, Rita Bervig, explica como funciona o...