Tabelionato, Registro Civil e Especiais de Rolante

Eduardo Kindel - Tabelião e Registrador

(51) 3547-1449
(51) 3547-1540
(51) 98410-1540

Plantão de óbitos do Registro Civil (Whatsapp):

(51) 98410-1540

NOTÍCIAS

19 DE JANEIRO DE 2021
STJ – Contrato de aluguel é válido mesmo que apenas um dos coproprietários tenha locado o imóvel

Ainda que o Código Civil exija a anuência da maioria absoluta dos coproprietários para dar posse de imóvel a terceiros, eventual inexistência desse consentimento não gera a nulidade do contrato de locação, tornando-o incapaz de produzir efeitos jurídicos. Os vícios que podem levar à anulação do contrato são aqueles previstos nos artigos 166 e 167 do Código Civil, e a legislação não impõe a obrigatoriedade da presença de todos os proprietários no instrumento locatício.

O entendimento foi fixado pela Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) ao manter acórdão do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) que declarou a rescisão de contrato de aluguel e determinou o despejo do locatário – o qual firmou o contrato com apenas um dos proprietários do imóvel.

O autor da ação de despejo – que posteriormente faleceu e foi sucedido pelos herdeiros – entrou com o pedido em nome próprio e como representante legal dos demais proprietários. Entretanto, duas das coproprietárias alegaram que não fizeram parte do contrato de locação nem autorizaram a sua celebração.

Em primeiro grau, o juiz acolheu a tese das coproprietárias e declarou a nulidade do contrato, julgando improcedente a ação. Entretanto, o TJSP reformou a sentença por entender que a falta de concordância dos coproprietários não gera nulidade.

Ausência de vício

Relator do recurso das coproprietárias, o ministro Villas Bôas Cueva explicou que, nos termos do artigo 1.314 do Código Civil, admite-se que qualquer um dos condôminos reivindique a coisa de terceiro e defenda a sua posse. No entanto, ponderou, para que seja alterada a destinação do bem, ou para dar a posse a alguém, é necessário o consenso dos condôminos.

Por outro lado, no caso dos autos, o ministro apontou que não foi demonstrada a ocorrência de nenhum dos vícios capazes de gerar a nulidade do negócio jurídico, como aqueles descritos no Código Civil. “Ademais, é incontroverso nos autos que o contrato foi celebrado entre pessoas capazes e houve a transmissão da posse do imóvel para o réu”, afirmou.

“A respeito da capacidade do autor para firmar contrato de locação, oportuno observar que a lei nem sequer exige a condição de proprietário para sua celebração”, complementou o ministro.

Situação inusitada

Por esses motivos, Villas Bôas Cueva entendeu que não poderia ser acolhida a tese de nulidade do contrato, de modo a exonerar o locatário de qualquer obrigação, especialmente em virtude do princípio da vedação do enriquecimento sem causa, previsto no artigo 884 do Código Civil.

Ao manter o acórdão do TJSP, o relator também considerou “inusitado” que a tese de nulidade do contrato de locação tenha sido levantada pelas coproprietárias, pois elas, em tese, teriam interesse no recebimento dos aluguéis.

“Conforme concluiu o tribunal de origem, mostra-se irrelevante, no presente caso, a demonstração de consentimento dos coproprietários para que o autor firmasse o contrato de locação, sendo devidos os aluguéis vencidos e inadimplidos até a desocupação do imóvel”, finalizou o ministro.

Leia o acórdão.

Fonte: Superior Tribunal de Justiça

Outras Notícias

Anoreg RS

22 DE ABRIL DE 2021
Rota Jurídica – Cartórios registram redução de óbitos de idosos e aumento na faixa de 20 a 59 anos

Prova disso é que, em março deste ano, foi registrado o maior índice de mortes no País e, em abril, já supera o...


Anoreg RS

22 DE ABRIL DE 2021
CNJ – Plenário decide que cartórios terão de divulgar faturamento

A medida foi tomada nesta terça-feira (20/4), durante a 329ª Sessão Ordinária, e alcança todas as serventias...


Anoreg RS

22 DE ABRIL DE 2021
RBS Notícias – Mortes por Covid caem entre idosos e aumentam entre jovens no RS

Especialistas sugerem efeitos da vacinação e aumento na exposição aos riscos.


Anoreg RS

22 DE ABRIL DE 2021
G1RS – Mortes por Covid caem entre idosos e aumentam entre jovens, aponta levantamento dos cartórios do RS

Especialistas sugerem efeitos da vacinação, mas também aumento na exposição e nos casos entre pessoas com menos...


Anoreg RS

22 DE ABRIL DE 2021
Temas atuais da classe extrajudicial são debatidos na reunião mensal do Fórum de Presidentes da Anoreg/RS

A reunião foi realizada nesta terça-feira (20.04), por meio da plataforma Zoom.


Anoreg RS

22 DE ABRIL DE 2021
Cartórios bem pra ti: Cartório de Rolante realiza ação especial de Páscoa

Serventia desenvolve programa contínuo de qualidade total e visa a promoção regular de campanhas sociais.


Anoreg RS

22 DE ABRIL DE 2021
“Notários e registradores têm feito o que é possível para participar deste admirável mundo novo”

Especialista em Direito Notarial e Registral, Tiago Machado Burtet destaca a importância dos serviços...


Anoreg RS

22 DE ABRIL DE 2021
Convite: Lançamento da Frente Parlamentar da Justiça Notarial e Registral Municipal de Porto Alegre

Evento será realizado no dia 27 de abril, às 16h, por meio da plataforma Zoom.


Anoreg RS

20 DE ABRIL DE 2021
Artigo – Cartórios utilizam tecnologia para dar celeridade aos processos do agronegócio – Por Joelson Sell

Aliar tecnologia à segurança jurídica em um só serviço é o que os cartórios extrajudiciais vêm se dedicando...


Anoreg RS

20 DE ABRIL DE 2021
TJ/RS – Ato conjunto determina expediente presencial interno a partir desta quinta-feira

Segundo a Desembargadora Vanderlei, a decisão também foi tomada em decorrência da necessidade de dar...